A regra de consulta aos mestres espirituais

 

Podemos ir. Mas que vamos oferecer a este homem? Não temos nada para oferecer (….) O empregado respondeu: Tenho aqui uma (….)moeda de prata.Vou oferece-la ao homem(….) e ele dar-nos-á uma orientação
I Sm 9, 7-8

 

Nesta passagem, verificamos que Saul não deseja consultar o vidente sem ter algo que lhe possa oferecer. Pior: Saul verifica que não tem nada para oferecer ao vidente em troca da sua ajuda. A este dilema, o seu empregado e amigo responde que possui algo que oferecer ao vidente, e oferece-se para ajudar Saul na consulta ao mestre.

Isto revela duas coisas:

Primeiro: Sobre a honestidade de quem procura um mestre de espíritos:

Quem procura a ajuda dos espíritos, deve ter respeito por aquele que trabalha com os espíritos. O respeito traduz-se na oferenda, pois oferendar aquele que ajuda, é como oferendar os espíritos que ele serve, e é por tudo isso uma demonstração de crença e de fé. Saul foi honesto quando desejou consultar o mestre, desejando pedir os seus serviços, contudo verificando que não tinha nada para oferecer ao mestre ficou com receio de o visitar e pedir-lhe auxílio. Isso demonstra que Saul estava actuando com um espírito de honestidade e fé, assim como revela que a oferenda feita a um mestre deve ser feita com confiança, respeito, fé e honestidade, e não como quem compra um bife num talho.

Esta escrito que «a fé (…) é o meio de conhecer realidades que não se vêem», ( Hebreus 11,3) , e por isso, a quem diz a um mestre:
«acreditarei apenas quando vir, por isso oferendar-te-ei apenas depois de ver»,

o mestre responderá apenas:

«Vereis apenas quando acreditares, e se oferendares é prova que tiveste fé».
Quem procura um mestre com desdém e desconfiança, nada mais levará senão mau resultado e igual desdém, pois por via desse mestre os espíritos darão aquilo que receberam.
Quem procurar um mestre com confiança, fé e honestidade, receberá ajuda verdadeira, pois por esse mestre os espíritos oferecerão um remédio de verdade.

Segundo: Sobre o que há a oferecer a um mestre de espiritos:

Verificamos também nesta passagem que quando julgamos que não temos aquilo com que oferendar a um mestre para o consultar e resolver os nossos problemas, há sempre quem nos ajude nessa oferenda, pois há sempre quem nos ajude a encontrar solução para os nossos problemas. Basta querermos e lutarmos, que a ajuda de um mestre virá sempre a nós, desde que não fiquemos de braço cruzado chorando pelo leite derramado.

publicado por adm às 20:20