Diz ao empregado que vá á frente. Quanto a ti, espera um momento, para que te comunique a palavra
I Sm 9, 27

 

Sabemos das anteriores passagens deste livro sagrado, que foi o empregado e amigo de Saul que o ajudou a consultar Samuel, pagando a consulta com uma moeda de prata.
No entanto, sem olhar a quem pagou a consulta, o mestre Samuel pede a Saul que o seu amigo e empregado se afaste quando se trata de lhe revelar as verdades que os espíritos tem para oferecer.
Isto revela que a verdade resultante da consulta aos espíritos deve de ser revelada apenas ao próprio e a mais ninguém.
A revelação é pessoal e não pode ser dada a conhecer a mais ninguém, pois os espíritos actuam invisivelmente, em silêncio e em segredo, pelo que a invisibilidade, o silêncio e o segredo dão a regra que garantem o cumprimento das suas acções.
Revelar a outrem aquilo que foi a consulta de um mestre, é invalidar a ajuda dos espíritos que operam através dele.
Quem consulta um mestre, apenas para depois divulgar ao mundo que o consultou ,( por vezes injuriando-o), não espere resultados positivos nem grite «injustiça», pois desse mestre não verá boa ajuda.
Conservai do mestre apenas 3 coisas:
a consulta, o mestre, e as suas revelações… em segredo;
Se o fizerdes, os espíritos actuarão.

tags:
publicado por adm às 20:24